26 de dezembro de 2007

Tuning

Quando comecei este vómito de blog, a minha ideia era despejar o meu ódio a coisas que existem à nossa volta e que na minha opinião (leia-se: verdade universal e indiscutível) ainda não tinham sido devidamente odiadas. Por isso acordei comigo mesmo que não iria perder tempo a odiar assuntos que já montes de aspirantes a Mete Nojo se cansaram de mandar abaixo com as suas opiniões (leia-se: trampa).

Isto significava que nunca n'As Coisas Que Eu Odeio se vislumbrariam títulos do estilo "A Celine Dion", "O José Castelo Branco", "O Governo", "O Pinto da Costa", "O Paulo Portas", "O Toni Carreira" ou "Tuning", que são temas já mais que odiados e bastante fáceis de atacar.

A não ser, claro, que uma besta qualquer que se inclua num destes temas se metesse aqui com o Mete Nojo. E perguntam vocês: "Mas oh Mete Nojo, para alguém se meter contigo não tem de ter uns tomates do tamanho de um Skoda Fabia?". Correcto, ou isso ou ter o QI de uma base pra copos.

O que é certo é que apesar da minha masculinidade ser bem visível a vários metros de distância, ainda há elementos da raça humana que acham boa ideia meterem-se comigo. Nomeadamente o quadrúpede que achou boa ideia envolver-se num acidente rodoviário comigo e ter a lata de dizer que a culpa era minha.
Senhor imbecil que bateu no meu carro, é impossível eu ter culpa de qualquer acidente rodoviário por duas razões:

1.- Admitir culpa num acidente é admitir que não se conduz perfeitamente. Quem conduz mal são os velhos e as gajas.
2.- A única coisa de que eu tenho culpa é de ter sempre razão.

Quem aguentou ler isto até aqui estará por ventura a pensar (ou não, porque quem lê isto só pode ser burro) o que é que o tuning tem a ver com isto tudo? A resposta é bastante óbvia, e se ainda não a tinham deduzido sugiro o suicídio: A besta conduzia um tuning.

Perguntam os ignorantes (e neste caso devo admitir, sortudos): O que é o tuning?
Ora bem, o tuning é quando rapazes com pilinhas pequeninas e intelecto a condizer, genuinamente acreditam que serão admirados, tal e qual as vedetas da Fórmula 1, se colarem pedaços de plástico às suas carripanas.

Não percebem? Vou fazer um suponhamos:
Imaginem o Jorge, 35 anos, vive em casa dos pais, nunca acabou o liceu e tem uma vida sexual quase tão excitante quanto o movimento dos glaciares. O Jorge, sendo burro que nem uma tosta mista e preguiçoso que nem um Koala toxicodependente, passa a vida a ser despedido dos diferentes empregos de merda que arranja, e sonha secretamente em ser piloto de Rally.
Como o Jorge não tem dinheiro nem pra mandar cantar um cego, conduz um Citröen AX de 1992 herdado do pai, e que de 1000 em 1000 kms precisa de uma peça nova. O facto de conduzir um monte de trampa sobre rodas não impede o Jorge de gastar todo o seu subsídio de desemprego em pedaços de plástico feitos de encomenda para "quitar" o seu AX. Invariavelmente, esse processo dá nisto:
Portanto o que o Jorge não sabe, é que o facto de um carro ter pedaços dispendiosos de plástico agarrados, não apaga o facto de que continua a ser um cagalhão móvel que atrai menos miúdas que um jogo de futebol das distritais.

Isto leva-me de volta à situação que despoletou esta mensagem de ódio. Porque carga de água é que o cidadão normal tem de se sujeitar a andar na estrada juntamente com bestas de tunings, e caso nos virmos envolvidos num acidente cuja culpa seja nossa, (neste caso, vossa, pois eu nunca tenho culpa pelas razões mencionadas anteriormente) temos de pagar uma fortuna em reparação num Peugeot 206 de mil novecentos e antigamente, só porque o alce que o conduzia achou boa ideia fibrar a frente toda? E se eu amarrasse a minha avózinha ao pára-choques do meu carro e alguém me matasse a velha? Também me tinha de pagar os milhares de euros que já gastei nela em medicamentos? A porra dos velhos custam mais dinheiro que os putos.
Se eu fosse ditador mandava prender todos os adeptos do tuning, fibrava-lhes o escroto, e testava a resistência do material com um malho. Nada como um bom crash testing para começar bem o dia.

Se estás a ler isto e quitas o teu carro então olha para o teu lado. Sim, esse acidente de automóvel que tens ao teu lado é a tua namorada. Mata-te.

17 de dezembro de 2007

Raptos de Crianças

Quem não está em coma há mais de um ano e tem electricidade em casa já se apercebeu que uma miúda escocesa foi raptada no Algarve.
Bolas, como eu odeio raptos de crianças.
Antes de se porem com lamechices homossexuais acerca de eu ter sentimentos, deixem-me dizer que como habitualmente sois todos uns montes de bosta iludida. A minha única preocupação prende-se com o facto de a classe criminosa estar cada vez mais bichona.
Que raio de bandido escolhe o rapto como actividade criminal? Mafioso que se preze é homem (ou mulher) suficiente para se mandar à comando para dentro de um banco, armado até aos dentes, e merecer o dinheiro que roubar. Se em vez de dinheiro sair do banco com um novo sistema de ventilação corporal e uma etiqueta no dedão do pé, então ao menos bate a bota com os testículos no sítio.

Agora raptos?
Venda de crianças?

Isso não tem estilo nenhum. Além disso quem é que quer comprar putos? Os putos só servem pra fazer xixi nas carpetes e chorar quando levam nas trombas dos outros putos maiores que eles. Desde quando é que isso tem valor de mercado?
Quem mesmo assim ainda quiser aturar um chavalo não precisa de o comprar. Qualquer idiota com pila, pelo menos um testículo e uma gaja burra o suficiente para lhe abrir as pernas, pode fazer um. Ena, isso está quase ao mesmo nível de dificuldade que um cagalhão, só precisa é de mais ingredientes.
Já o pessoal que tem as gónadas secas e não vai lá sozinho, tem sempre opção de adoptar um puto qualquer. E não é difícil encontrar garotada abandonada, porque há idiotas que concordam comigo em dois pontos: Os putos são chatos mas fáceis de fazer (se alguém não apanhou a crítica social faça o favor de tirar o ticket para o transplante de cérebro).
Segundo auto-denominados especialistas em crimes destes, parece que a adopção não é a única motivação de quem rapta putos. Pelos vistos há pedófilia metida ao barulho.
Sexo com putos? Isso é mais patético que a reunião anual do clube de fãs da Avril Lavigne. Toda a gente sabe que as gajas são bem mais boas que os putos. Gente burra.

Se estás a ler isto e tens a Maddie, devolve-a que eu já não posso ver a fronha dela nos jornais, e no processo mata-te por favor. Deixa o crime para homens a sério.

UPDATE: Aparentemente um grupo de aspirantes a nerd (CT = Computadores e Telemática) partilha do meu ódio a raptos e ao circo à volta disso. Vejam aqui.

15 de novembro de 2007

Deus

É isso mesmo que vocês leram. Eu odeio Deus. Se eu odeio tudo, então também tenho de odiar o criador de tudo.
Uma das coisas que mais me chateia no Todo-Poderoso é isso mesmo, ser todo poderoso. Se há alguém que devia ser todo poderoso era eu, e a única coisa que me arrependo em toda a minha vida é de não ter tido a ideia de ser todo poderoso antes d'Ele.

Nos próximos parágrafos irei defender o meu caso, no qual provo incontornavelmente que quem devia ser Deus era eu.

1.- A Humanidade é estúpida:

Acho que é bastante óbvio que se eu fosse Deus fazia um trabalho muito mais eficaz, começando por restaurar a selecção natural nos homens. Há décadas que gente demasiado estúpida para chegar à idade reprodutiva o tem conseguido fazer, e no processo, espalhar os próprios genes. O resultado é este:

Assim que eu assumisse o cargo de Deus, em duas gerações resolvia este problema com meia dúzia de pragas pandémicas estrategicamente colocadas.

2.- A Humanidade não acredita em Deus:

Outra coisa que eu iria reciclar dos tempos antigos era o raio no crânio. Deus é manso, e nunca manda um daqueles raios divinos que resolvem qualquer discussão numa fracção de segundo e com um cheiro a churrasco pelo meio. Comigo no trono divino, qualquer objecção ou dúvida de fé seria logo respondido com uma diferença de potencial eléctrico de 3 MegaVolts entre a ponta do meu dedo e a base do crânio do prevaricador. Calculo que em menos de três meses as igrejas, mesquitas, sinagogas e locais santos estariam a abarrotar de fiéis, que mesmo que não acreditassem em mim, acreditavam nos efeitos nefastos das correntes eléctricas no cérebro.

3.- Os Omnis são sobrevalorizados:

É do conhecimento geral que as divindades têm de cumprir três requisitos mínimos para serem considerados deuses:
Omnipresença: Estão em todo o lado.
Omnisciência: Sabem tudo.
Omnipotência: São todo poderosos.

Isto é tudo muito catita, mas sobrevalorizado. Vejamos o exemplo da omnipresença:
Toda a gente já esteve em sítios que dão vontade de cortar os pulsos, quer seja a casa da sogra ou num concerto de Paulo Gonzo, logo o facto de ter de se estar obrigatoriamente em todos os locais do mundo, inclusivé os maus, é o que eu chamaria uma grande merda. Prefiro estar onde é bom e quentinho, obrigado.

Saber tudo é muito giro pra impressionar as gajas intelectuais, mas toda a gente já passou por situações em que outras pessoas nos revelaram pormenores da sua intimidade/sexualidade/higiene pessoal acerca das quais preferiríamos ficar na ignorância. Imaginem saber os hábitos pessoais do José Castelo Branco ou do Carlos Cruz, e digam-me se ainda acham piada à omnisciência.

Não tenho nada contra a omnipotência. Rebentar estrelas só porque me estão a tapar a vista para a Grande Nuvem de Magalhães parece-me bem, mas para o resto do povo não ia ser muito agradável se eu pudesse fazer nascer um pinheiro no recto de quem me chateasse.

4.- Deus é imortal:

Ora bem, Deus é imortal, logo é incoerente. Sendo todo-poderoso, Deus deveria poder matar-se, mas como é imortal, não pode. O Professor Marcelo ficaria orgulhoso desta argumentação. Pena que eu odeie o Professor Marcelo.

5.- Deus não é fixe:

Já alguém viu Deus?
Não.
A minha conclusão é que Deus deve ser algum tipo feio e sem qualquer carisma. Provavelmente Deus é o primeiro nerd da história, totalmente associal, e que desde a Criação tem estado fechado no quarto a jogar World Of Warcraft.

6.- A Omnirazão

Com todos os omnis que Deus tem, falta-lhe o mais importante, e que só eu tenho: a Omnirazão, ou seja, eu tenho sempre razão. Se isto não chega para convencer toda gente que está a ler isto, então só prova que o gráfico que aqui apresentei é verdade.

Se estás a ler isto e achas que vou arder no Inferno pelo que acabei de escrever, então és capaz de ter razão, mas o Papa diz que não há Inferno, e o Papa fala com Deus ao telefone.

13 de novembro de 2007

Jornais desportivos

Antes de mais, devo sublinhar a falácia que é o título desta mensagem. Não existe tal coisa como um jornal desportivo, pelo menos em Portugal. Em compensação temos esse monte de matéria fecal impressa em papel de jornal que é o diário de futebol, e quem ousar dizer que essas coisas são jornais de desporto é obviamente uma besta.

O facto de um grupo de tolinhos arranjar o que escrever sobre futebol num jornal de 50 ou mais páginas todas as semanas é impressionante. O facto de o fazerem diariamente é assustador. O facto de o fazerem 3 pasquins diferentes é chocantemente estúpido. O facto de milhares de pessoas os comprarem regularmente é pura e simplesmente digno de fuzilamento, e mais uma prova que eu tenho razão quando digo que odeio gente.
O que é que me interessa se o Vítor Baía come esparguete com atum nos estágios do FCP? O que é que me interessa que o Simão tenha uma gripe e vai faltar ao treino de quarta feira? Eu quero lá saber se o Liedson lançou uma autobiografia! Isto merece um aparte odioso:

-------APARTE ODIOSO ACERCA DA BIOGRAFIA DO LIEDSON------------------

Como é que um tipo como o Liedson lança uma autobiografia? Se o facto de não saber escrever não fosse impedimento suficiente, ter uma vida tão interessante quanto um bloco de cimento devia chegar. Liedson, vou lançar a tua biografia escrita por mim, e vai vender muito mais.

BIOGRAFIA DE LIEDSON, POR METE NOJO:

Nasceu.
Deram-lhe um nome estúpido.
Saiu da escola por ser burro que nem um fóssil do Triássico.
Foi repor stocks pra um supermercado.
Fez uns bicos pra pagar as contas.
Foi visto a jogar num descampado por um empresário de futebol qualquer.
Joga no Sporting e marca uns golos.
Lança autobiografia acerca da sua vida recheadíssima e super interessante.
Morre assassinado por Mete Nojo.

Se calhar exagerei. Escrever nove linhas é capaz de ser demais. Tenho de ver se reduzo para sete, para que o Liedson consiga ler tudo. Quem diz Liedson diz o nome de outra besta qualquer que tem a mania que é vedeta, seja lá de que clube for.

-------FIM DE APARTE ODIOSO ACERCA DA BIOGRAFIA DO LIEDSON--------------

Bem, estou a divagar, de volta às coisas ridículas nos pasquins de futebol.
(...) Porque é que eu tenho de ser bombardeado com 346 opiniões diferentes acerca do resultado do Clube Desportivo Azóia de Baixo - Casal do Arrocho FC, mas se quiser saber quanto ficou o resultado da final da taça de Portugal de outro desporto qualquer, tenho de ir até à penultima página e sacar de uma lupa para saber? É um insulto para qualquer praticante de outro desporto saber que as cuecas do Lucho Gonzalez têm selo, na página 2, e que o campeão nacional de Volei é o Sporting de Espinho, na página 49.

A minha curiosidade acerca deste fenómeno ultrapassou o meu asco, e fui investigar umas estatísticas acerca da venda de jornais diários em Portugal. Estas são as percentagens médias de circulação dos 9 jornais portugueses mais vendidos no trimestre de Abril-Junho 2007:

Correio da Manhã – 11,8%
Jornal de Notícias – 11,3%
A Bola – 8,7%
Record – 8,4%
O Jogo – 5,7%
Público – 4,4%
Diário de Notícias – 3,9%
24 Horas – 2,8%
Diário Desportivo – 0,9%

Para se tirar conclusões a partir de estatísticas, existe todo um processo de avaliação de diversas variáveis que afectam os resultados. Neste caso específico o facto de
o somatório da circulação dos 9 mais vendidos só dar 57,9%, o número de pessoas que compram jornais não é fixo e é apenas uma pequena percentagem da população, seriam factores que estudiosos de estatística teriam em conta para tirarem as suas conclusões. Estudiosos de estatística são rotos. A minha conclusão é bastante simples e não está aberta a discussão:

EU ODEIO 8,7 + 8,4 + 5,7 = 22,8% DA POPULAÇÃO PORTUGUESA. O facto de que eu também odeio gente que lê o Correio da Manhã e o 24 Horas é outra luta.

Perguntam vocês, porque é que eu não odeio o Diário Desportivo? Simples: alguém conhece essa merda? Presumo que seja uma pilha de trampa como o resto, mas dou-lhe o benefício da dúvida.

Ok, não dou nada,
EU ODEIO 8,7 + 8,4 + 5,7 + 0,9 = 23,7% DA POPULAÇÃO PORTUGUESA.

Se és português e estás a ler isto, há 23,7% de probabilidades de eu te odiar por leres jornais desportivos e 100% de probabilidade de te odiar por outra razão qualquer. Se és brasileiro, há 50% de probabilidades de te odiar por gostares de samba e 100% por dizeres "legal".


9 de outubro de 2007

Discotecas, DJs e música de discoteca

Uma vez encontrava-me em pleno processo de malhar copos com um grupo de gente conhecida, e deixem-me sublinhar a expressão "gente conhecida" já que eu odeio amigos, quando um deles sugeriu que acabássemos a noite na discoteca. A única razão porque não lhe arranquei os olhos com o garfo das moelas foi porque tamanha estupidez me causou logo um aneurisma.

Quando recuperei os sentidos descobri que aquele grupo de bestas de carga me tinha trazido até à tal "discoteca". Como o utilizador médio da internet tem a mania que é esperto, já deve estar a preparar um comentário do estilo "Eh pá, ninguém te deixava entrar na discoteca inconsciente". Como é vosso apanágio, estão enganados meus abortos. Isso é no vosso caso em que perder os sentidos implica transformarem-se num monte de merda sem qualquer reacção e fácilmente sodomizável. Já eu que sou muito macho, quando fico inconsciente continuo de pé, conduzo, falo, bebo e de uma forma geral sou muito perigoso para a saúde de quem se meter comigo. Só perco é o discernimento, o que me deixa ao mesmo nível intelectual de vocês, logo abaixo do de um peixe de aquário. Posto isto, e como já estava lá dentro achei melhor dar uma volta para ver que história era aquela de "discoteca" para a poder odiar convenientemente.

A primeira coisa que nos atinge quando entramos numa discoteca é a música, e por música eu quero mesmo é dizer merda. Neste antro de estupidez a "música" fica ao cargo de um grupo de lobotomizados cujos membros se auto-intitulam de "DJs", como se o facto de se esconderem por detrás de uma sigla mudasse o facto que são uns falhados. Estes tipos acham que pegar nas músicas dos outros e misturarem com ruídos de uma zona de escavação é uma nova forma de arte musical.
Como se este plágio descarado não chegasse, ainda insistem em estar presentes durante esta violação sonora. Colocam-se por detrás de uma parafernália de equipamentos de alta tecnologia e vão-se abanando ao som da merda que fazem, como se aquela porcaria estivesse a ser produzida no momento, ao invés de ter sido gravada em casa.
A maioria das pessoas que se encontra na pista, olha para estas bestas com uma certa admiração, como se o facto de terem uns headphones agarrados à cabeça e de serem incapazes de tocar 2 notas diferentes num qualquer instrumento fosse motivo de admiração.
Olhem, tenho uma sigla muito melhor que "DJ" para estes cromos: "PALHAÇOS."
Sim, eu sei que não é uma sigla.

Quando o meu sistema imunitário se habituou à poluição sonora e parei de ter convulsões fui logo atingido pela segunda vaga de ataques que a discoteca reserva ao seu utilizador: o fumo.
Toda a gente diz que o Hitler era um tipo fodido e que ninguém gostava dele à conta de ter gaseado tantos judeus, mas hoje em dia as pessoas sujeitam-se à câmara de gás voluntariamente e ainda pagam para isso. Pelo que ouvi dizer, quanto mais fumo tem uma discoteca, mais fixes são as pessoas que lá vão. O cancro do pulmão deve andar na moda.

Assim que consegui furar através da manada de búfalos que estrebuchava na pista de dança e cheguei ao bar, apercebi-me que a discoteca é mesmo um monte de estrume fumegante. Quando pedi um copo de tinto recebi a seguinte resposta:
"Tinto? Acha mesmo que servimos vinho aqui? Se quiser arranjo-lhe Sandevid, o tinto de verão."
Só não espanquei a empregada porque ela era boa como o caraças. Estou a gozar, eu não discrimino ninguém quando se trata de violência: Dei-lhe uma aula de boas maneiras com o Professor Punho e fui posto fora da discoteca. Obviamente foram precisos 12 seguranças e uma boa dose de sedativos.

Cheguei cá fora com a noção que a única coisa em condições que me tinha acontecido durante a minha estadia na discoteca, foi ser expulso daquele buraco. Da próxima vez que me vir dentro de uma já sei: Parto logo a cremalheira da primeira pessoa que me aparecer à frente e fica tudo resolvido.

Nem preciso de me esforçar um bocadinho para odiar as discotecas. Se és DJ e ainda estás a ler isto, então deves estar a sonhar, porque tu não sabes ler.

3 de outubro de 2007

Super-heróis abichanados

Porra, se eu volto a ver algum filme ou série de televisão acerca de um super-herói amaricado, vou entrar em modo sovanço e distribuir porrada a tudo o que tiver pulsação num raio de 50 metros.
Não é coincidência que este ataque de violência me tenha dado logo a seguir a ter visto um episódio do monte de trampa que é o "Smallville". Nunca na minha vida esperei ver chegar o dia em que o super-homem fosse um bicha. Ok, nos anos 80 o actor escolhido tinha ar de cona, mas ficava-se por aí, no entanto agora parece que o departamento de casting do Smallmerda vai buscar talentos ao bar gay da cidade.

Como se o departamento de casting não se tivesse esforçado o suficiente para tornar o homem-de-aço no homem-que-leva-com-o-aço, os argumentistas decidiram ajudar à festa. Digamos que a personagem da Lana é protagonizada por uma moça com aspecto muito saudável, mas o super-cóina arranja sempre desculpa para não lhe saltar para as cuecas, como se ela tivesse a crica forrada a Kryptonite.
Quase que ia jurar que o super-manso pinta os lábios, mas como sei que nunca ninguém acredita em mim, tenho aqui a reconstituição de alta qualidade de uma entrevista genuína feita ao actor:


Penso que o pedaço de jornalismo de qualidade que foi esta reconstituição não deixa qualquer sombra de dúvida sobre o facto de este jovem ser frequentador da máquina de glúteos no ginásio.
A acusação descansa. Só não percebo é porque é que não há mais gente a ver a verdade.

O super-herói atraca-de-pôpa que se segue é o Homem Aranha.
Desde quando é que um lingrinhas com cara de vítima de violação como o Toby Maguire é o indicado para fazer o papel de aranhiço? Com aquela cara de tanso o Toby devia levar porrada de meia noite na escola primária. Devia ser daqueles ranhosos que nunca tinham dinheiro para almoçar porque os outros putos lho roubavam e só o nome dele deve ter sido desculpa para o levarem ao poste* todos os dias.

Eu se mandasse na indústria dos filmes impunha uma regra que era: Acabaram-se os mariquinhas a fazer de super-heróis. Todos os filmes de super-heróis teriam de ser protagonizados por uma de três pessoas:

Ron Perlman, um gajo tão duro e tão másculo que engravida mulheres só com o olhar. Se não sabes quem é o teu pai, o mais provável é ser aqui o Ronald.


Danny Tejo, um tipo tão feio que é impossível ser paneleiro. A fronha deste tipo é capaz de causar três tipos diferentes de glaucomas se se olhar demasiado fixamente para ela. Ficam avisados.


Rui Cordeiro. Não deixem o nome e a cara plácida deste senhor vos enganar, este é um tipo verdadeiramente fodido. Este jovem é a causa de muitas rótulas esmagadas e costelas rachadas entre os adversários de Portugal na taça do mundo de rugby. Cordeiro é um tipo tão descontroladamente raivoso, que por pouco não estrangulou dois companheiros de equipa enquanto cantava o Hino nacional. Circulam rumores que Cordeiro não é careca e que a sua aparente calvície é fruto das crises de raiva que tem durante o jogo, durante as quais arranca pedaços de cabelo a si próprio e aos adversários.


Se estás a ler isto e achas que as pessoas acima são muito feias para ser super-heróis, então és um monte de guano. Se algum dia estiveres em apuros, espero que sejas salvo pelo Super-Enrrabador. Escuso de te explicar qual é o seu super poder...

* "Levar ao poste" é o ritual em que um grupo de putos se junta num gang improvisado no momento e capturam um membro da sua faixa etária para lhe esmagarem os testículos puxando as pernas do puto quando um poste se encontra entre elas. Ei, não olhem assim para mim, não fui eu que inventei tal maldade. Alguém se lembrou disso primeiro que eu.

26 de setembro de 2007

Eufemismos

Quando eu era chavalo, costumávamos jogar futebol com um deficiente lá do bairro. Era conhecido por Carlinhos mongolóide e tinha um remate de pé direito à Platini.
Um dia a mãe do Carlinhos ouviu-nos a gritar "Passa a bola oh mongo!" e veio-nos dizer que era feio chamar mongolóide a uma pessoa com síndroma de Down. Na altura a única coisa que me preocupou foi se o Carlinhos, agora que tinha essa coisa de Down, podia jogar no inter-bairros da semana seguinte.
Passou-se algum tempo e um dia ouvimos os adultos a comentar que o Carlinhos tinha "trissomia 21". Foda-se, aquela merda do coiso de Down ainda vá que não vá, mas esta história de doenças com números ao barulho já era demais para a malta lá do bairro, e o resultado foi que já ninguém queria jogar futebol com o Carlinhos com medo de apanhar uma doença estranha por tabela.

Mais tarde, quando finalmente cresci um cérebro e comecei a ler umas merdas, fiquei a saber que aquelas doenças
todas com nomes foleiros não passavam de sinónimos simpáticos para o mongolismo.
Como toda a gente sabe, isto é um caso clássico de eufemismo. E como toda a gente devia saber, isto é muito roto.

Qual é o problema de chamar mongolóide ao Carlinhos? Já ouço aqueles intelectualóides de esquerda (e de direita. Os intelectualóides são todos uns cóinas, não interessa de que ponto cardeal é que vêm) a dizer coisas do estilo "Ah, mas utilizar esses termos depreciativos apenas serve para abalar a auto-estima e o desenvolvimento saudável da psique". Enfiem a psique onde o sol não brilha, seus falhados. Tenham a coragem de chamar as coisas pelos nomes, se não pela verdade, pelo menos pelo respeito a quem chamam essas coisas. Ou vocês acham que o Carlinhos se sente confortável quando toda a gente evita dizer o que ele é ou passam a vida inventar nomes novos, como se tivessem vergonha daquilo que ele é? Um mongolóide e nada mais.

Mas esta bicheza dos eufemismos não se fica só pelo mongolismo. A nossa sociedade é a sociedade do politicamente correcto. Toda a gente tem susceptibilidades muito frágeis e qualquer palavra minimamente fora dos parâmetros amaricados do politicamente correcto é logo móbil para uma crise de choro e três processos judiciais.

Quando vejo alguém a descrever uma pessoa como sendo uma "pessoa de cor" até me rebentam úlceras intestinais. "Pessoas de cor"? De que cor? Isto é suposto ser os pretos? Ou os roxos? E os brancos? Branco não é uma cor? Qual é o problema de dizer que alguém é preto ou branco? Tudo bem que cromaticamente falando não é das afirmações mais correctas. Se alguém for mesmo preto é porque caiu num bidão de alcatrão, e quem for mesmo branco é muito provável que esteja na morgue de algum hospital, mas não é prático estar a descrever o tom de azul/roxo/preto/verde que a pessoa tem.

Há um eufemismo em particular que me pára a circulação: A bolada nos tomates num jogo de futebol.

Estamos a falar de um desporto que é suposto ser muito másculo, em que 22 macacos carregados de testosterona andam muito perto de andar à porrada por uma bola e há insultos a voar por todos os lados. De repente alguém dá uma bordoada na bola e esta vai colidir com os tomates de um desgraçado qualquer a 80 km/h. Tudo o que é gajo do público logo de imediato tem aquele movimento instintivo de proteger a prata da casa, mesmo sabendo que foi a do jogador que foi toda amassada, e ninguém tem dúvidas que a bola lhe acertou nos tomates.

Ninguém excepto o deficiente que deixaram comentar o jogo, para quem a bola acabou de acertar no "baixo ventre" do jogador.
Se alguma vez alguém tiver o descaramento de chamar ao meu equipamento de prazer, "baixo ventre", eu vou-lhe dar umas lições de anatomia ali mesmo. Quando a minha rótula esmagar as gónadas do abusador, ele nunca mais vai trocar o nome dos meus tomates.

Se estás a ler isto e me consideras uma pessoa extremamente incorrecta, então és um imbecil, porque eu sou é um cona.

19 de setembro de 2007

Gente estúpida + Google

Um dos melhores métodos de diagnóstico da estupidez crónica é colocar a pessoa em frente de um computador ligado à Internet e deixá-la sozinha na sala. Invariavelmente, se a pessoa sofrer dessa maleita, fará algo de reprovador, nojento ou simplesmente idiota.

A maioria das vezes o primeiro passo para a avalanche de idiotice é uma busca igualmente idiota no Google. É precisamente estas buscas ineptas que eu odeio, além da gente que as efectua e que têm a actividade mental de um pinheiro.
Graças às minhas l33t skillz, eu sei tudo acerca de quem visita o meu nojo de blog, incluindo as buscas que fazem no Google para aqui chegarem. Vou agora ordenar por ordem decrescente de popularidade os resultados obtidos:

1. eu odeio aquela vaca

Tudo bem, faz todo o sentido que esta frase venha dar às Coisas Que Eu Odeio, só não percebo é porque carga de água alguém vai por esta merda no Google. Dá para perceber que é gente que odeia uma vaca, mas que parece ter necessidade de fazer uma busca no Google para saber que vaca é essa. Não procurem mais, eu sei quem é: A vossa mãe.

2. abecedario portugues para tatuar

Esta entorpece-me o cérebro de várias maneiras diferentes.O algoritmo do Google tem um sentido de humor estranho para que isto venha dar aqui. Além do mais, que raio de besta coloca isto num motor de busca?
Será um aspirante a tatuador que não tem ninguém que lhe ensine a vandalizar os corpos alheios e acha boa ideia aprender pela Internet? Quantas vezes tenho de dizer que a única coisa que se aprende na Internet é a ser estúpido, esgalhar o animal ou sacar pirataria?
Se queres ser tatuador mata alguém e entrega-te. Não há melhor sítio para aprender tatuagem que a choldra, além de que também aprendes a lavar-te com gel de duche.

3. as coisas que eu odeio

OK, nem tudo está perdido.

4. eu odeio a marinha

Ora bem, por onde começar? Odeias a marinha? Que esperas encontrar na net acerca do facto de odiares a marinha? Guias de como evitar seres sodomizado pelos teus camaradas de cabina? Como andar no mar alto sem vomitar de meia em meia hora? És um bichona, não só porque te alistaste na marinha, quando toda a gente sabe que o exército é que é para homens, como ainda por cima a odeias o que me faz concluir que és a biatch da tua unidade. Esperam-te longos meses de maus tratos em mar alto, o que diga-se de passagem é bastante merecido.

5. festival motard oeiras

Há um festival motard em Oeiras? Parece-me que afinal Oeiras ainda pode ter salvação.

6. marca de vinho galhofa

???? Nem sequer vou desenvolver a estupidez que é utilizar uma preposição como "de" num motor de busca, porque a gramática é totalmente eclipsada quando nos apercebemos da barbaridade desta busca. Vinho galhofa? O que raio é essa merda? Será alguém que quer comprar vinho que o faça rir? Toda a gente sabe que o álcool faz rir ou chorar, dependendo se és um vencedor ou um falhado. Se achas que o facto de o rótulo ter "galhofa" escrito te vai tornar um vencedor, enganas-te. És um falhado, com ou sem vinho galhofa.

7. quanto tempo demora a ganza a desaparecer do organismo

Clássico caso do puto de 16 anos que fuma canhões e um dia descobre que tem umas análises marcadas para a semana seguinte. Cagufas como é, entra em pânico e vai logo directo a essa fonte de informação ultra fidedigna que é a Internet, investigar se se vai safar ou se o papá lhe vai cortar a mesada. Jovem, tenho um conselho para ti: Chuta cavalo e morre de overdose. Garanto-te que ninguém vai ter tomates para te tirar a semanada depois disso (não que precises dela quando estiveres a ser comido pelas minhocas).

8. testes de estupidez cronica

Este é um daqueles momentos raros de iluminação que por vezes abençoa um estúpido crónico. Talvez depois de ter sofrido um impacto com um objecto pesado no crânio, ou depois de um choque de 10000 volts, o cérebro desta criatura teve um breve momento em que chegou mesmo a funcionar, durante o qual atingiu a brilhante conclusão que havia grandes probabilidades de ser um estúpido. Para confirmar esta ilação, decidiu procurar testes de estupidez crónica no Google, com a pequena esperança de estar enganado. É claro que não estava, porque alguém que faça esta busca só pode ser estúpido. A auto dúvida é coisa de roto.

9. quanto tempo demora a ganza a desaparecer do sangue

Parece que o jovem ganzado não encontrou o que queria à primeira. Não me espanta.

10. final felacius

O ... que ... é ... isto? Algum tipo que deseja que lhe façam um bico em Latim? E que seja o último da sua vida? Mas porque é que gente estúpida nasce sempre com dedos para poder escrever estas merdas? Justiça seja feita, apenas duas pessoas fizeram esta busca. O problema é que sendo mais do que uma pessoa a fazer isto, implica que não é alguma mutação cerebral a causadora desta imbecilidade pornográfica, mas sim uma característica inerente da espécie humana. Quem for a favor do genocídio da Humanidade levante o braço por favor.

Se fizeste alguma busca no Google e chegaste a esta página então há grandes probabilidades de seres uma das bestas que descrevi. Se te adequas a este perfil tenho uma busca para fazeres no Google: "Como me atirar para a frente do suburbano"


UPDATE 8 de Outubro 2007: Gente estúpida continua a usar o Google e a vir aqui ter, portanto tenho mais uns exemplares de estupidez para mostrar aqui:

11. Anestesista abusador + youTube

Esta criatura foi operada ao apêndice na semana passada, mas acordou com uma dor estranha no alçapão da caca, e achou boa ideia ir à internet ver se encontrava algum vídeo do anestesista de serviço a desbravar-lhe o recto, só pra ter a certeza. O mais grave aqui é o facto de esta besta ir ao Google fazer uma busca em que usa a palavra youTube, em vez de ir ao youTube.com e usar aquela função muito engraçada que eles lá têm com um nome esquisito. Serche, ou search ou qualquer coisa assim.

12. Música ser nerd é fixe

OK, esta frase começa por pecar logo pela semântica. Ser nerd, não é fixe, ponto final, e se achas que sim, então espera-te uma longa e duradoira relação matrimonial com a tua mão.
Esclarecido este ponto de extrema relevância, passamos para o facto de alguém achar que existe uma música assim chamada. Isso é ridículo, e era necessário ser-se muito estúpido para se escrever tal coisa................. pronto, conhecendo o grau de estupidez do pessoal da indústria musical, isso afinal faz todo o sentido.

13. Significado do nome rijo(masculino)

Isto é tão imbecil, que eu vou reservar três linhas deste parágrafo só para demonstrar a minha indignação sem palavras.



Mas quem é que não sabe o que quer dizer "rijo"??!?!?!? Algum emigrante que ainda está a aprender português? E além do mais, quem é que vê necessidade em pôr "(masculino)" à frente de um adjectivo já na sua forma masculina, e cuja forma feminina é escrita de maneira diferente?
Se alguém conseguir descobrir a localização da pessoa que fez isto, estaremos perante uma das maiores descobertas no campo da zoologia.

UPDATE 3 de Novembro 2007: A avalanche de estupidez parece não ter fim. Mais dois exemplos:

14. Tudo acerca da sífilis

Tudo o que é drogado ou promíscuo vem parar aqui ao site do Mete Nojo. Jovem, fodeste a crica errada e agora tens pedaços da pila a cair. Aguenta-te que nem um homem, ou se queres ajuda vai ao médico. Não é com o Google que vais parar de mijar pus.

15. O que o berbequim trouxe à nossa sociedade

OK, se muita gente até agora tinha dificuldade em acreditar que estas frases não eram inventadas por mim, a partir deste momento duvido que consiga convencer alguém que são mesmo verdade. Pois é, mas a triste realidade é que não fui eu que inventei isto. Pelos vistos existe alguém no mundo que acha que os berbequins mudaram a sociedade em que vivemos, e que há mais gente além dele que acha o mesmo. Jovem, a única coisa que um berbequim te pode fazer de bom é uma lobotomia caseira, que é o que tu precisas.

UPDATE 12 de Novembro 2007: Mais uma dose de estupidez:

16. - Qual é o sinonimo de ilação pode ser acusaçao ok

Eu não percebo se este energúmeno pensou que o Google é algum computador futurista com poder de conversação, ou se achou que há um desgraçado do outro lado a responder às perguntas que são colocadas na barra de pesquisa. O que quer que tenha sido, este jovem é claramente um furúnclo com pernas, pois chegou ao ponto de fazer uma pergunta, sugerir uma resposta e terminar a frase com um OK, como que a pedir confirmação.
Minha besta, se queres saber o que quer dizer "ilação" vai a um dos vários dicionários de português online, em vez de te pores a fazer perguntas estúpidas a um site de busca. Pensa no Google como se fosse uma criatura burra que nem um penedo e que quanto menos palavras lhe forem dirigidas melhores são os resultados. No fundo, como tu.

17 . eu raspo a cona toda

Ok minha porca, estou a ver que raspas a coina. E toda, que é para ter a certeza que não haja assimetrias nas crostas vaginais. Que bom para ti. Será que estás à procura do relato de outra badalhoca como tu, para te sentires melhor com o facto de seres uma vaca repugnante? Só tenho pena que o Google não fique com a morada desta gente. Ia finalmente dar uso àqueles 2 bidões de gasolina que tenho lá em casa.
Ocorreu-me agora que isto pode ser o desabafo de algum ginecologista frustrado de ver tanta coina e de só lhe poder mexer profissionalmente. Realmente, quando o emprego de um gajo é raspar coinas de manhã à noite, percebo a necessidade de desabafar.

Mas não deixa de ser nojento.

11 de setembro de 2007

Blogs

Eu odeio a liberdade de expressão.
Não há nada de errado com uma ditadura draconiana baseada na repressão violenta de tudo com o qual eu não concordo ou que é simplesmente estúpido.
Errado é ter de ouvir o que certos atrasados mentais têm para dizer, e que ás vezes é tão agradável como
uma raspagem do intestino grosso. Sem anestesia.

Hoje toda a gente pode dizer o que quer, e normalmente isso implica grandes salvas de bosta lançadas para a atmosfera.
Antes da Internet, e mais particularmente dos blogs, ao menos a merda com a qual éramos bombardeados era em quantidades menores, debitada predominantemente por televisões e jornais, onde se pelo menos não se soubesse escrever ou falar bem, tinha de se ter uma fronha agradável ou um par de tetolas gigantescas.
E então algum idiota decidiu estragar tudo e inventou os blogs, para que qualquer aborto com computador e uma ligação à Internet pudesse mandar as suas bombadas escatológicas para cima do resto do povo.

Se alguém neste momento está a ler isto e a perguntar-se "o que é um blog?", então acabei de perder a última réstia de esperança na sobrevivência da humanidade como espécie. Esta merda de site que o senhor internauta está a ler é um blog. Isso mesmo.

Quer isto dizer que eu odeio o meu blog? Claro que sim, eu odeio tudo, mas há uma grande diferença entre o meu blog e o dos outros: o meu é melhor porque fui eu que o fiz.

Agora que tirei isto a limpo posso passar para a fase seguinte que é também a minha preferida: dar exemplos e desancar gente específica.

Se repararem no topo desta página existe um link para o "blog seguinte", e o que esta função faz é bastante óbvio: selecciona ao calha outro blog qualquer do blogger.com e leva-vos até ele. Se já alguma vez jogaram roleta russa então vão perceber a sensação de carregar nesse link: Há grandes probabilidades de levarmos com o equivalente electrónico de uma bala no crânio.
Como sou dono de uma curiosidade mórbida, decidi descobrir blogs ao calha. Se fosse outra pessoa qualquer a ter esta ideia, eu não hesitaria em chamar-lhe idiota, mas como fui eu, então só pode ser uma ideia fixe.

O que eu descobri foi que quando achamos que não podemos odiar algo mais do que aquilo que já odiamos, então esse algo arranja maneira de nos surpreender pela negativa e o odiómetro rebenta a escala.

O primeiro exemplo é um blog de uma raça de indivíduos que eu já aqui mencionei, e que são os nerds. Os autores deste tal de FanForcePT são uma sub-espécie de nerds especial de corrida: os nerds star wars. Este é o tipo de jovens que esgalham o espargo a ver O Império Contra-Ataca, molham a cueca quando o George Lucas diz que vai fazer outro capítulo da saga, e acham boa ideia usar "a Força" nos polícias de trânsito para se livrarem de multas.
O conteúdo deste site contribui tanto para a humanidade como as minas anti-pessoais ou a gonorreia. Ali se discute qual o comprimento de onda do tom de verde do sabre de luz do Luke Skywalker, ou quantos botões o Darth Vader tem no peito, qual o método reprodutivo dos Wookies e o que é que acontecia se o Yoda se peidasse.
Acham que estou a exagerar? Passo a citar uma das mensagens deste blog cujo título é :
"Revelação sobre Darth Malak!"


"A Hasbro vai lançar Action Figures de vários personagens do Expanded Universe na série 30AC Wave 5 - Expanded Universe, comemorativa dos 30 anos de Star Wars. Darth Revan e Darth Malak são algumas das personagens desta série.

A revelação encontra-se na caixa da action figure de Darth Malak, onde se encontra escrito que foi Darth Revan que 'destruiu' o maxilar de Darth Malak com o seu sabre de luz.
'Four thousand years ago, during the height of the Old Republic a young Jedi fell to the dark side while battling Mandalorians in uncharted space. Renaming himself Darth Malak, he returned to plague the Republic he once protected. Malak's steel jaw is the result of a vicious lightsabre wound inflicted by his former Sith Master, Darth Revan.'"

Ena pá altamente, fiquei tão excitado com a notícia que acho que me vim nas cuecas!

Mas que bando de falhados! Não basta serem uns trintões virgens que ainda compram brinquedos, como ficam todos tolos quando um pedaço de informação acerca de uma pessoa fictícia é esgatafunhado num pedaço de cartão.
O resto do blog deixo ao vosso critério. Mas não há ponta por onde se lhe pegue.

O segundo exemplo é o típico blog escrito por alguém que pôs os dedos na tomada quando era puto e nunca recuperou completamente.
O RABBIT!. (exactamente, ponto de exclamação seguido de ponto final. Rói-te de inveja Festa do Avante!) é o produto da mente de uma adolescente (presumo eu) cujo pequeno almoço deve ser Prozac com Red Bull.
Se o arranjo cromático deste blog não vos fizer regurgitar o almoço, estou seguro que a escrita o fará. Aliás, chamar àquele arranjo de letras ao calha escrita, faz tanto sentido como dizer que a disposição das tripas de peixe nas bancadas das peixeiras segue um propósito artístico.

Eu poderia criticar o conteúdo, mas a moça nunca ouviu falar em ortografia ou em construção coerente de frases, e como tal é quase impossível de perceber de que raio está ela a falar. Isso é provavelmente a única coisa positiva desse blog.
Reparei que outros jovens prozacados visitam o blog da Rabbit e lhe deixam mensagens igualmente incoerentes. Não querendo quebrar a tradição deixei-lhe uma mensagem de apoio em português, pois não queria estragar o aspecto geral do site com uma frase em inglês correcto. Questiono-me se ela alguma vez irá tentar descobrir o que é que "Matem-se jovens" quer dizer, mas depois lembro-me que a curiosidade é sinal de inteligência e deixo-me logo de questões absurdas.

Tudo isto se evitava se apenas a mim fosse dado o direito de dizer o que quisesse. Mas porque é que as pessoas se recusam a ver a verdade e não me aclamam como ditador de uma vez por todas?

Se estás a ler isto e não percebes a ironia de odiar blogs dentro de um blog és um cona. Se não sabes o que "ironia" quer dizer, então deves ser autor de um blog qualquer.

UPDATE 14/11/07: O RABBIT!. fechou. Apesar de estar contente pelo desaparecimento de um gigantesco pedaço de trampa, não deixo de ficar chateado por agora ter links mortos no meu site. Pergunto-me se a autora seguiu o meu conselho e matou-se.







3 de setembro de 2007

A MTV

A MTV foi lançada em 1 de Agosto de 1981 como o primeiro canal exclusivamente dedicado à música. Segundo os seus criadores o significado do nome deste canal é Music Television.

Mentira. Ao fim de vários anos de investigação, consegui por as mãos nos rascunhos originais do conhecido logotipo e descobri a obscura verdade acerca do nome da MTV:



















MTV é na verdade uma sigla para Merda Television.

Esta descoberta apenas vem confirmar as suspeitas que desde há alguns anos têm vindo a surgir acerca deste horror mediático: A MTV é um gigantesco monte de trampa corporativa, cujo plano a longo prazo é transformar a juventude de hoje em zombies consumidores sem qualquer tipo de vontade própria, bem como aumentar o perímetro médio do ânus dos jovens em três ordens de grandeza.


Os habituais cépticos que são incapazes de ver a verdade, mesmo quando esta os atinge na cara com uma sachola, irão afirmar que esta imagem não prova nada, e que não passa de uma fraude habilmente fabricada no photoshop.
Ah, cóinas ignorantes! Viram a data em letras pequenas? Como é que eu poderia fazer isso em 30 de Julho de 1981? Nem sequer havia photoshop! Chupem-me o prepúcio e matem-se.

Agora que todas as dúvidas foram dissipadas acerca da minha teoria... correcção, VERDADE IRREFUTÁVEL, posso passar à descrição pormenorizada desta conspiração, ao lado da qual o caso Camarate não passou de uma brincadeira com bombinhas de Carnaval.

Numa primeira fase a MTV tentou conquistar os jovens com uma coisa que na altura andava na moda: A música. Nos primeiros tempos a programação consistia em videoclips de bandas de manhã à noite, coisa hoje perfeitamente obsoleta, visto que agora toda a gente acha que a música é uma coisa muito século passado.
Como era a primeira vez que os artistas musicais apareciam na televisão 24 horas por dia, ainda ninguém pensava em vestir-se de maneira "fixe" ou por silicone nos tetos de maneira a vender mais álbuns. Além disso estávamos nos anos 80, portanto toda a gente se vestia que nem uns tolãs.

Jovem falhado dos anos 80

Então a MTV passou para a fase seguinte. Aproveitando a popularidade que já tinha ganho entre os adolescentes, começou a ditar as novas tendências em termos de roupa e estilo. O que a badalhoca da Madonna fazia com o cabelo era lei, e o que o bichona do George Michael desencantava do armário era uniforme obrigatório. A música já não era a única coisa em palco, mas continuava a ser o elemento mais importante.

E então a MTV mostrou a sua verdadeira face. Aproveitando o facto de que a geração do novo milénio parecia ter menos neurónios do que era habitual, tomou a decisão de deixar de passar música. Oficialmente ainda se classificam como canal de música, mas só quem tem um berbequim enfiado no hemisfério esquerdo do cérebro é que engole isto.
Hoje, a MTV é aquilo que os seus fundadores desde cedo planearam: A Merda Television.
Não acreditam? Estou-me a cagar para o que vocês acreditam, mas já que se estão a armar em parvos vou-vos provar o que estou a dizer.
Esta é a grelha de programação da MTV Portugal para um dia em Agosto de 2007

06:00 Wake Up
- Um dos poucos programas com música. O facto de ser música de merda e ser às 6 da manhã não ajuda muito.

11:00 Matchmaker
- Primeiro lote de merda do dia. Neste programa os adolescentes com mais saldo no telemóvel que quociente de inteligência enviam o seu nome e o do seu interesse romântico, e uma fórmula matemática altamente complexa baseada apenas nas letras dos nomes define o sucesso de tal relação em forma de percentagem. Se não perceberam não faz mal, é preciso ter-se uma deficiência congénita para se perceber o conceito deste monte de bosta. Ah, por trás passa música.

13:00 Parental Control -
Tive de ir ao site da MTV para saber o que era isto. Arrependi-me imediatamente, porque causou-me um cancro nos olhos. Antes de perder a visão consegui ler o sumário desta desculpa de programa de televisão: Adolescentes levam dois "blind dates" a casa dos pais, e são estes que escolhem com qual dos dois o/a filho/a deve pinar. Ok, não dizem exactamente que é para pinar mas subentende-se.

13:30 Making The Video -
Este é um dos exemplos daquilo que a MTV representa. Interessa mais saber o que a rameira da Britney comeu ao almoço enquanto estava a fazer aquele vídeo em que roça contra meia dúzia de genitais masculinos do que a música em si. De qualquer forma a música dela é uma merda, portanto não se perde muito.

14:00 My Super Sweet 16 -
Mais outra consulta online revelou que a MTV ainda me consegue surpreender quando se trata de merda.
Vacórias imberbes com tanto dinheiro que até cagam maços de notas de 100 dólares, decidem fazer uma festa dos seus 16 anos, na qual o principal objectivo é fazer algo tão megalómano e dispendioso que os convidados se esqueçam que elas são uns bovinos superficiais e que a única razão porque foram à festa delas é porque o álcool era de graça e ouviram dizer que ia haver strippers.

14:45 Matchmaker -
Quando a merda é má, a MTV acha boa política repeti-la de forma a garantir que as pessoas nunca saiam da poça de merda em que se meteram.

16:30 Engaged & Underage - Antes que o telespectador fique mal habituado, a MTV decide parar com a música (mesmo que seja no formato propício ao grego do Matchmaker) e retorna com um fantástico "reality show". Seguem um casal de putos que acha que casar é altamente e decidem filmar tudo, desde a proposta até ao dia do casamento propriamente dito. Casar já é estúpido, por um monte de razões que quem sabe um dia desenvolva melhor aqui, mas fazê-lo na televisão é um hino à estupidez. Conselho aos jovens que aparecem neste programa: Aproveitem e façam já um contrato para filmar o vosso divórcio, que considerando a forma como expuseram o vosso casamento para toda a gente ver, deve ocorrer já no próximo mês.

17:30 Laguna Beach
- Merda merda merda. Estou cansado de escrever sobre merda.

18:00 Made -
Não estou tão cansado que passe a oportunidade de mandar este abaixo. QUE GRANDE CONCENTRAÇÃO DE EXCREMENTOS! Aqui pegam nuns falhados que acham que nunca vão ser nada na vida ( e não posso deixar de concordar ) e os cóinas da MTV desafiam-nos a serem algo que é suposto ser "fixe". Do estilo skater ou rapper.
Skater ainda é naquela, visto que até podes ganhar umas cicatrizes para mostrar às gajas, mas ser rapper não é fixe. É estúpido e é o refúgio daquele pessoal cujo único talento musical é falar depressa demais.
Como se isso não fosse suficiente, estes cromos nem vontade própria têm para escolher que monte de merda querem ser. Eu acho que a MTV podia poupar muito dinheiro aqui se pura a simplesmente desse o mesmo título a todos os episódios já que no fundo ia dar ao mesmo. O título seria este:

Por esta altura deixei de conseguir ler os títulos dos programas que se seguiam derivado do glaucoma alérgico que desenvolvi a tanta caca, mas eram algo do estilo:

19:00 Merda Chart
20:00 Merda Non Stop
21:00 Mais Merda
22:00 Merda Unlimited
23:00 Big Piles of Merda
23:30 MTV Merda Hot Zone
01:00 Merda vs. Poia
03:00 All Night Merda


Se gostas da MTV então és um monte daquilo que eu mencionei aqui 21 vezes directamente e 6 vezes na forma de sinónimos.

27 de agosto de 2007

Nerds

"O que é um nerd?" é a pergunta que vai na cabeça do imbecil leitor desta merda de blog. O nerd é um gajo que desistiu voluntariamente de ser macho.
Não estou com isto a dizer que se tornou bicha, antes pelo contrário, o nerd é mais uma espécie de lesma marinha assexuada, cujos impulsos sexuais foram desviados dos membros da sua própria espécie em direcção às tecnologias de informação. As relações amorosas do nerd são as consolas, computadores pessoais, telemóveis, televisores e em casos de extremo desespero, calculadoras e comandos da porta da garagem.


Para um jovem testiculado atingir este ponto é necessário que os seus progenitores lhe neguem as habituais doses de bordoada que fazem parte do desenvolvimento saudável de todos os machos. Há pais que acham que é engraçado que o puto prefira jogar na Playstation em vez de ir lá para fora andar à porrada com os amigos e não acham estranho o facto de o puto preferir um bolo de anos em forma de Mr. Spock em vez do tradicional campo de futebol. Que larilas.

Com pais amaricados destes, não admira que a quantidade de nerds por cada 100.000 habitantes tenha aumentado estupidamente nos últimos 10 anos, tal como este gráfico baseado em provas científicas irrefutáveis o prova:

Como podem ver no gráfico, hoje em dia há mais nerds que putas, e isso é grave. Para quem acha que este gráfico não representa a realidade: Chupem-mos.

Nota: para aqueles que têm um QI um pouco mais elevado que a minha flora intestinal e repararam em dois momentos da história em que a população de nerds diminuiu drasticamente, eu esclareço-vos: Alexandre o Grande e Attila, dois dos maiores distribuidores de porrada indiscriminada que já houve, são os responsáveis.

"Eh pá, oh Mete Nojo, eu também uso computadores e coisas com botões! Será que sou nerd?"
É possível imbecil. Para saberes se és nerd só tens que responder às questões que se seguem e somar os pontos:


O que é para ti uma tarde bem passada?

a) Jogar World of Warcraft até te cairem os olhos ou os tomates. (50 pontos)
b) Ler o novo número da revista PCWorld e perceber o que lá está escrito(40 pontos)
c)
Ler o novo número da revista PCWorld e não perceber um caralho (20 pontos)
d) Jogar futebol (10 pontos)
e) Jogar futebol e andar à porrada no fim (1 ponto)


Toca o telefone. O mais provável é ser...

a) O D4rkM4xt3r, membro do teu clã de Unreal Tournament, a perguntar quando é que vão os dois treinar headshots. (50 pontos)
b) O D4rkM4xt3r, membro do teu clã de Unreal Tournament, a perguntar quando é que vão os dois tomar um copo. (40 pontos)
c)
O D4rkM4xt3r, membro do teu clã de Unreal Tournament, a despedir-te do dito clã, porque nunca apareces para os treinos. (20 pontos)
d) A boa da vizinha a perguntar se já compraste a vaselina. (10 pontos)
e) O representante da Heckler & Koch em Portugal, a perguntar se aquela remessa de espingardas de assalto foi do teu agrado. (1 ponto)


Para ti o dia correu mal se...

a) Não conseguiste entrar na guild FunestroWarriors do World of Warcraft, porque lançaste o feitiço errado durante aquela batalha. (50 pontos)
b) Não conseguiste fazer o debug daquele novo software de rede lá no teu emprego. (40 pontos)
c) Apanhaste um vírus no PC (30 pontos)
d) A tua ex telefonou-te a dizer que tem sífilis e que só pinou contigo nos últimos 5 anos. (10 pontos)
e) O George W. Bush adicionou-te à lista de terroristas mais procurados do mundo. (1 ponto)


A tua última namorada/biatch acabou contigo porque...

a) Porque nada. És virgem e nunca chegaste a menos de 5 metros de uma gaja. (50 pontos)
b) Porque a desgraçada teve de recorrer à masturbação já que tu passavas a noite em frente ao PC. (40 pontos)
c) Porque o efeito do alucinogénico que lhe deste para ela pensar que eras um tipo fixe passou. (30 pontos)
d) Porque eras muito bruto quando lhe mandavas stickadas pro bujom (10 pontos)
e) A tua última namorada não acabou contigo. Tu é que acabaste com ela. Literalmente. Precisas de arranjar um quintal maior. (1 ponto)

Resultados:
0-3 pontos: Ou não sabes somar ou és um mentiroso sem muito jeito pra mentir. É impossível teres menos de 4 pontos pila. Deves ser um nerd gigantesco.

4 pontos: És um palhaço. A única pessoa no mundo que faz 4 pontos neste teste sou eu. Morre.

5-40 pontos: Por incrível que pareça, até nem és um nerd. Isso não impede que te podes vir a tornar um, portanto não fiques todo tesudo de orgulho cóina.

41-100 pontos: És uma espécie de híbrido, meio humano, meio nerd. Odeio metade de ti por ser nerd, e a outra metade por não espancar a parte nerd.

101-200 pontos: Dizer que tu és um nerd é mais que óbvio além de ser uma redundância. Metes nojo a tudo o que é produtor de esperma. Mata-te e limpa a porcaria no fim se faz favor.

Se estás a ler isto e achas que eu sou um cóina, é porque deves ser um nerd.



23 de agosto de 2007

Videntes + Distribuidores de panfletos = Aliança do mal

O problema das coisas que eu odeio é que são mesmo odiosas.

Já previamente tinha cuspido cá para fora o meu ódio figadal a videntes e distribuidores de panfletos, mas mesmo assim a mensagem não passou. Há gente que nunca aprende.

Como o monte de pus cobarde que são, estes dois tipos de bestas decidiram aliar-se de forma a atacar aqui o Mete Nojo, e se eu acreditasse que estes aminoácidos sabem ler, até diria que isto foi feito como retaliação pelos insultos que lhes dirigi.

Estas amibas com pernas decidiram imprimir uns panfletos a publicitar um vidente e colocá-los no limpa pára-brisas do meu carro. Como o distribuidor de panfletos comum não sabe contar, achou por bem deixar uma resma de papéis todos iguais no meu carro, para ter a certeza que deixava pelo menos um. Não faz sentido? Eu sei, insondáveis são os desígnios do distribuidor de panfletos.

Cego de ódio, conduzi até casa atropelando um par de peões pelo caminho, não porque seja mau condutor, mas porque mal conseguia ver a estrada com tanto papel no meu pára-brisas. Isto trouxe-me inúmeras dores de cabeça, porque tive que enterrar os cadáveres no quintal, e estou a ficar sem espaço na vala comum lá de casa. Tenho de arranjar um quintal maior.

De volta ao papéis, decidi queimá-los, mas não sem antes guardar um para o odiar com mais calma. Aqui está a foto:


A primeira coisa que se vê é o nome do meu inimigo: O auto-intitulado Professor Baba. Sendo um erudito, o professor achou por bem não se chamar a si mesmo algum nome de gente, do estilo Carlos ou Jorge, e optou antes pelos ruídos que um casal de babuínos faz durante o coito. Como se o facto de se ter um nome que até um paciente com uma lobotomia pré-frontal consegue pronunciar lhe desse mais credibilidade.
Pensando bem, sabendo o tipo de gente que acredita nestes palhaços, faz todo o sentido.

Somos de seguida bombardeados pelo título que o professor dá a si mesmo: "Grande Médium Vidente Internacional Especialista em todos os problemas". Isto é tão estúpido em tantos níveis diferentes que merece um parágrafo só para o mencionar.

Estúpido.

Para começar o professor diz que é "grande". Mas quem é que se descreve a si mesmo como "grande"? Nem Alexandre se chamava a si mesmo Grande. Foram os outros que depois de terem levado tanta porrada do rei grego lhe decidiram chamar isso para ver se o tipo se acalmava.
Se o professor fosse grande, não tinha de andar a espalhar panfletos impressos numa impressora de 1928, e já tinha conquistado pelo menos 3 países asiáticos na base da porrada.

Saltando o ridículo "médium vidente" chegamos ao patético "internacional". O que é que o professor quer dizer com internacional? Que não é de Portugal? Então mas isso só faz dele um falhado ou criminoso no seu país de origem, que teve de emigrar para não ser linchado. Não estou a ver de que maneira isso ajuda a vender a sua banha da cobra.
Talvez seja por isto que o professor afirma que "fala inglês também". Pena é que não saiba escrever inglês, e que apenas em 4 palavras consiga logo debitar um erro.
A única coisa de internacional que este senhor deve ter é o mandado de captura por tráfico de substâncias ilegais e burla agravada em países de terceiro mundo.

Logo a seguir temos a cereja em cima do bolo. O professor, talvez um pouco farto de escrever baboseiras no seu título, decidiu usar outra táctica e aplicar figuras de estilo. O paradoxo.
Baba afirma ser um "especialista em todos os assuntos", afirmação essa que faria qualquer estudioso da língua portuguesa devolver o conteúdo do seu estômago à luz do dia ou então aplaudir a ousada utilização de um paradoxo.

Odeio estudiosos da língua portuguesa.

Segundo um dos dicionários de língua portuguesa que para aí andam, esta é a definição de especialista:

Especialista:

s. 2 gén.,
pessoa que se ocupa exclusivamente de um ramo particular de uma
ciência, de uma arte, etc.;
perito.

Portanto Baba, apesar da tua ambição desmedida, não podes ser especialista em tudo. Como consolação fica o facto de seres um monte de merda especial, o que para ti e para a tua profissão tem o mesmo efeito prático.

Passando para o corpo da mensagem o cenário não melhora muito. Para que o destinatário do panfleto não fique mal habituado, o professor presenteia-nos logo com a maior martelada no português até ao momento: "adaptado de conhecimentos e poderes". Parece-me que o conhecimento de como escrever português em condições não foi "adaptado" em condições no professor.

O resto do texto não passa de uma listagem de possíveis "problemas" que o professor se propõe a resolver em menos de 48 horas, e não me dei ao trabalho de ler mais porque as minhas retinas, enjoadas com tanta parvoíce, decidiram fazer greve.

Já que o professor prometia resolver qualquer problema, resolvi telefonar-lhe a perguntar quanto tempo demoraria a lançar um mau olhado a distribuidores de panfletos de videntes. O cérebro do professor, como grande calculadora mental que é, demorou cerca de dois minutos até perceber que eu estava a falar dele e dos seus lacaios. Sem grande surpresa, desligou o telefone e deixou de atender os meus telefonemas.

Professor, se estás a ler isto dou-te um conselho: Da próxima vez que confundires o meu carro com um ecoponto, ao menos tem o discernimento de não escreveres a tua morada no papel. Mata-te antes que eu o faça por ti.

20 de agosto de 2007

A festa do Avante!

O comunismo nunca funcionou por uma simples razão: é muito roto. Segundo esta filosofia o ser humano médio é uma pessoa altamente, cheia de valores e tal, e que nunca vai tentar prejudicar os outros pra meter ao bolso.
Se Marx tivesse sido meu contemporâneo tinha levado tamanha sova que se tornava logo fascista e veria a realidade: as pessoas, em geral, são uns cóinas.

Posto isto, e após quase 90 anos de existência prática de comunismo, com alguns genocídios e massacres pelo meio (derivados da frustração de certos líderes comunistas que não conseguiram fazer os seus súbditos perceber a ideia de que toda a gente é igual. Se não és igual, morres.), parece que finalmente as pessoas se começam a aperceber que é um conceito do jurássico e que nunca vai funcionar.
A não ser que essas pessoas sofram de estupidez crónica, que é como quem diz pertençam ao PCP.

Os dinossauros do PCP, apesar de serem estúpidos não são burros. Cedo perceberam que a juventude não quer saber de ideais ou de revoluções banhadas a sangue e glória. O jovem quer é sexo, drogas e rock and roll, ou a versão portuguesa desta máxima: putas, tinto e Quim Barreiros.
Diz-se que nalgum comício do PCP perdido nas páginas da história, um iluminado comuna chegou a esta conclusão e inventou a festa do Avante!.
O habitual chico esperto diria: "Oh Mete Nojo, tens aí um erro na frase. Tens um ponto de exclamação seguido de um ponto final". Não, meu estreptococo fecal, a festa chama-se mesmo assim, com um ponto de exclamação no fim.
O PCP pôs o ponto de exclamação para passar a ideia de emoção, dramatismo e ímpeto revolucionário... Que falhados. A única revolução que se passa no Avante é aquela que 30% dos manfios que lá vão têm no estômago depois de fumarem um canhão, beber meio garrafão de tinto e ouvirem o Carlos Carvalhas a discursar.

Discursar? Sim, leste bem jovem ignorante. No Avante! há quase tanto discurso político como ganza, e conhecendo os discursos do habitual militante do PCP, não me consigo decidir qual dos dois dá mais pedrada.

"Mas se é uma festa, porque tem de haver discursos políticos para estragar tudo?" é a pergunta que surge na cabeça de qualquer pessoa que saiba apertar os sapatos.
Não conhecendo nenhum membro do PCP, apenas posso especular, mas suspeito que existam pelo menos duas razões:

1.- O militante do PCP precisa de ouvir as balelas políticas obsoletas que sempre ouviu, pelo menos de 2 em 2 horas. Caso contrário sofre um choque anafilático e o partido passa a ter só 23 membros. A velha piada da cassete comunista tem o seu fundo de verdade, pois o verdadeiro comunista tem sempre consigo um walkman com os discursos de Lenine acerca do poder do proletariado e da igualdade entre camaradas, que ouve todo o par de horas, tal e qual um diabético toma a sua dose insulina.

2.- O militante do PCP é mais proselitista que uma testemunha de Jeová, e é incapaz de deixar as pessoas divertirem-se em paz sem tentar enfiar máximas comunas pelos ouvidos do jovem drogadito. As chefias do PCP esperam que o elevado nível de THC e álcool no sangue dos participantes do Avante! os leve a pensar que o que estão a ouvir é a filosofia que lhes vai dar significado às suas vidas vazias. Infelizmente para os PCs, o efeito só dura 3 horas e depois os jovens voltam à sua apatia política habitual.

Resumindo e concluíndo, o Avante! não merece o esforço. Se queres um encontro de gajos mal vestidos que valha a pena vai antes ao encontro motard em Faro. Ninguém te tenta espetar ideologias políticas no cérebro e ao menos as gajas que sobem ao palco são boas. No Avante! é a Odete Santos.

PS - Eu não sou de direita nem de esquerda. Sou de cima. Eu lá em cima a mandar e vocês aí em baixo.

18 de agosto de 2007

OPAs e o Joe Berardo

Para o português comum uma opa era uma bata que se usava nas procissões religiosas quando se tinha o desejo secreto de se parecer um idiota. Estávamos todos bem assim, mas de repente algum chupista decidiu lançar uma OPA, e como a merda anda às manadas, logo a seguir assistiu-se a uma enxurrada de OPAs a torto e a direito.

O que é esta coisa de OPA em maiúsculas? Segundo cóinas que dizem que têm um curso superior nas áreas da economia e merdas gay relacionadas, uma OPA é uma Oferta Pública de Aquisição...

Que grande pilha fumegante de bardamerda.
Para começar ainda estou para assistir a uma que cumpra o objectivo aparente, que é o de comprar alguma coisa, logo só posso deduzir que esse não é o objectivo principal. Sabendo que vocês que estão a ler isto têm a capacidade dedutiva de uma vara de porcos, vou-vos dar uma ajuda e revelar-vos a verdade: As OPAs são montras para os paneleiros se passearem na televisão e arranjarem namorado.

O quê? Paneleiros? Na televisão? Impossível! Se o sarcasmo não é óbvio para vocês, então deixem o gás da cozinha ligado a noite toda.

O que é que vocês acham que o Joe Berardo é?
O homem preocupa-se com o que veste, porque anda sempre vestido da mesma maneira. Se isso não é gay, é pelo menos abichanado. A única desculpa do Joe é se aquele fosse o mesmo fato desde há 3 meses, o que faria dele grande porco e muito másculo. Mas todos sabemos que isso é mentira, e jornalistas meus conhecidos já me disseram que o Joe cheira a perfume de gaja.

Aquele sotaque... eu sei que é suposto ser madeirense, mas há ali problemas de dicção. O Joe sofre obviamente do síndrome
Felacius violentus.

O Benfica anuncia que o segundo equipamento vai ser cor de rosa e o Joe tenta logo
comprar o clube. Oh Joe, querias tu ser dono para teres desculpa pra usar cor de rosa e entrar nos duches do balneário? Ainda bem que não conseguiste, o futebol já tem paneleiros que cheguem.

O nome é o outro indício preocupante. É uma espécie de mutação entre o português e o inglês, como se fosse um nome artístico de drag queen do estilo Georgette Silva ou Madame Pinto. Ao menos teve o discernimento de escolher um nome masculino, mas a mim não me engana.

Se ainda não estão convencidos, deixo-vos com uma foto do Joe da capa da revista Actual:












Joe, não és nenhuma estátua de um herói grego. Por favor não alces a perna. Há coisas que é melhor ninguém conhecer, tal como o conteúdo das tuas virilhas.

Portanto Joe, se estás a ler isto, fica a saber que te descobri a careca e que mais tarde ou mais cedo o resto da população mentecapta vai perceber o mesmo e lincha-te. Se queres namorados deixa-te de OPAs e vai para o Eduardo VII. Ou então mata-te.

PS - Eu odeio homossexuais. Mas também odeio heterossexuais. Por isso quem me acusar de homofóbico terá de me acusar de heterofóbico também. Já o resto do pessoal é metenojófobicos, o que é perfeitamente compreensível porque eu meto medo a toda a gente.

16 de agosto de 2007

A busca da fama

Cada vez que me submeto à tortura de ver uma criança a ser entrevistada por algum pseudo-jornalista, dou de caras com a mesma situação:

Jornalista Deficiente - "E o que queres ser quando fores grande?"
Puto Ranhoso - "Quero ser famoso/a!"
JD - "Ai sim? A fazer o quê?"
PR - "Não sei, só sei que quero aparecer na televisão."

Queres ser o quê? Famoso? Assim sem mais nem menos? Que é feito do "quero ser astronauta/bombeiro/médica/puta/chulo"?? É como se de repente a realização pessoal de uma pessoa atingisse o clímax, quando as suas fronhas são transmitidas por UHF para toda a gente ver.

Eu percebo que se queira ser famoso a fazer alguma coisa importante, como por exemplo ser um tirano. Segundo a minha teoria acerca do ser humano, a megalomania e a sede de poder fazem parte do desenvolvimento saudável de qualquer catraio, e se um puto aos 6 anos não quiser ser ditador, ayatollah ou polícia de trânsito, então deve ser abatido imediatamente.
Só não percebo é esta nova moda de se ser famoso só por ser, sem nenhum acto de heroísmo ou genocídio por detrás.

Mais grave ainda é o facto de que muita desta juventude nem sequer percebe porque não consegue ser famosa. É como se no pequeno universo das suas cabeças defeituosas não houvesse espaço para o simples conceito de que a pessoa comum é isso mesmo: comum.
Posto isto, sinto ser a minha obrigação evitar mais sonhos desfeitos e ensinar os putos a perceber se podem ou não ser famosos. Ok, minto, estou-me borrifando para os sonhos desfeitos, mas estou farto de ver putos sem jeito pra nada a venderem um rim para aparecerem na TV.

Estes são os testes que deves fazer a ti próprio antes de tentares a fama:

1.- Jogas Trivial Pursuit e nem o queijo cor-de-rosa consegues ganhar? Achas que a capital da Inglaterra é Chelsea ou Arsenal? Ah, isso é porque és burro que fode. Se fores famoso será pela negativa, portanto quanto menos famoso fores, menos gente saberá que és um idiota.

2.- Por alguma razão que desconheces, a tua mãe não põe espelhos no teu quarto e o teu cão não te lambe a cara? Não vivas mais na ignorância jovem, isso é porque és feio que nem um leproso. Vamos lá admitir, a grande maioria das pessoas é feia, incluindo eu (mas só porque ser bonito é roto), logo é uma tortura para o resto da população ver as vossas fronhas no pequeno ecrã porque lhes lembra elas próprias. Eu não tenho nada contra a tortura indiscriminada, mas tenho televisão e prefiro ver a Gisele Bündchen.

3.- A polícia usa gravações tuas a cantar no banho para dispersar multidões? Da última vez que dançaste em público houve um motim na tua cidade? O teu conceito de tocar um instrumento é ver quantas notas diferentes consegues extrair de um arroto? Então és obviamente um jovem com o talento musical de uma rocha calcária. Não te esforces, e não esforces os ouvidos dos outros. Olha que um dia os tomates podres podem acabar e só sobram as pedras.

4.- Uma piada dita por ti é sempre seguida por um silêncio desconfortável? Os teus amigos parecem sempre receber telefonemas no momento em que tu lhes revelas que sabes uma piada altamente? Parece-me um típico caso de falta de sentido de humor crónica, também conhecida entre os especialistas pelo síndroma Bruno Nogueira. Não vais ser nenhum Herman José (não que isso seja uma coisa má), nem nenhum Conan O'Brien, mas se parares de contar anedotas junto dos teus amigos até pode ser que eles comecem a gostar de ti.

5.- És sempre o último a ser escolhido para a equipa nos jogos de futebol? Quando chegas ao fim de uma prova de natação já todo o público abandonou a piscina e as luzes foram apagadas? Uma pontuação de 2 dígitos por buraco é um óptimo dia de golf para ti? Lamento informar-te, mas tens a coordenação motora de uma vaca com BSE. Como podes concluír, não te espera a glória desportiva de um Cristiano Ronaldo ou de um Tiger Woods, mas pode ser que sejas campeão regional da bisca de 7.

6.- Não consegues convencer os teus amigos a jogar o teu jogo preferido? Nunca enganaste o senhor Armindo da mercearia da esquina de modo a pagares menos pelos caramelos? Nunca usaste a tua influência entre os teus amigos para que te deixassem sentar na carteira ao lado da boazona da turma? Jovem, a carreira de político não é para ti. O máximo de poder que alguma vez terás vai ser o de mudar de canal do televisor quando as notícias não te agradarem. E isto se viveres sozinho.

7.- Consegues beber leite pelo nariz sem vomitar? Dizes o abecedário pelo rabo enquanto te peidas? Consegues completar o Minesweeper em menos de 2 minutos? Consegues espremer uma borbulha com os dedos dos pés?
Sim?
Lamento desiludir-te mas isso só é talento para a estupidez. O único sítio onde vais ser famoso vai ser no YouTube, e só enquanto aquele jovem coreano não puser o video dele a comer o próprio vómito enquanto dança nu.

Se não passaste o teste anterior não desesperes, pois tens sempre uma alternativa. Veste-te de super-homem e salta de uma ponte, tipo a 25 de Abril. Vais ter os 5 segundos mais famosos da tua curta vida.

14 de agosto de 2007

O Bruno Nogueira

Este jovem entrou no mundo da comédia como um meteorito. Ofuscou tudo e todos durante cerca de 30 segundos e depois o que sobrou foi um buraco fumegante no chão.

Quando reparei nele pela primeira vez, dizia umas piadas acerca de um senhor com um bolo, aparentemente improvisadas no momento. Se eu fosse gajo para me rir, se calhar até o teria feito, pelo que o Bruno não entrou logo para o topo da minha lista de coisas que odeio.
Como se se tivesse cansado de ser engraçado, daí para a frente o Bruno entrou numa espiral descendente de piada, apesar de muita gente não ter ou não querer reparar.

Este fenómeno inexplicável do mundo da galhofa deve ter ido para a cama com alguém importante (arrisco dizer o senhor do bolo) porque agora é a coqueluche de qualquer campanha publicitária que tem como objectivo ser engraçada. Pena que se fiquem pelos objectivos.

Sem me esforçar muito, consigo lembrar-me de pelo menos duas campanhas publicitárias protagonizadas pelo Sr. Nogueira que causaram mais sofrimento que o desembarque da Normandia:

Banco qualquer que ninguém quer saber: Jovens com asas.
Já viram este monte de fertilizante agrícola? Pelo que consegui ver é um anúncio a um banco. Digo isto porque cerca de 5 segundos depois de o ter começado a visionar, o meu estômago não aguentou tanta estupidez e tive de vomitar o almoço. Pelo que consegui vislumbrar por entre os grumos de bife e esparguete que se alojaram no ecrã do televisor, este fantástico spot publicitário conta com a contribuição de uma galinha. Sim, leram bem, uma galinha...
Utilizando todas as suas habilidades de representação, o rapaz dirige um monólogo digno de uma adolescente a quem lhe veio o período pela primeira vez ao previamente mencionado galináceo.
Eu até me teria esforçado para soltar um sorrizito (apesar de isso ser anatómica e psicologicamente impossível na minha pessoa) se o texto não fosse pura e simplesmente estúpido e sem piada nenhuma. Oh Bruno, parece que quem te escreve as piadas teve uma hipoglicémia criativa ou então não gosta nada de ti. Ah espera, esqueci-me que talvez sejas tu que as escreve... isso não me surpreenderia.
É injusto que o Bruno chegue ao fim do dia e receba cachet por aquela bosta, enquanto que a galinha com sorte acaba nalgum arroz de frango.


Super Bock sem
álcool: Perfeito perfeito.
Chiça Bruno, se tivesses arranjado uma frase mais engraçada que essa eu era gajo para a tatuar no escroto para nunca mais me esquecer. Não sou muito bom com isto do sarcasmo, portanto de volta ao meu tom normal: Já vi peixeiras no Bolhão a inventarem chavões mais memoráveis no tempo que demora a amanhar um robalo e a dar porrada ao puto por ter gasto a semanada em cavalo. E a essas senhoras ninguém as põe na TV.


Já estou a imaginar o Bruno e o seu batalhão de argumentistas numa reunião a mandar ideias para a mesa:
Argumentista 1 - "Eh pá, e se disséssemos «perfeito»? Tem montes de piada!"
Bruno Nogueira - "Não sei pá, falta aí qualquer coisa..."
Argumentista 2 - "Já sei, e se disséssemos «perfeito» duas vezes? Tinha o dobro da piada!"
Bruno Nogueira - "Oh Argumentista 2, tu és um génio! Deixa-me fazer-te um bobó!"
Argumentista 2 - "É claro Bruninho, meu patife."

A juntar a isto temos o facto de que é uma publicidade a cerveja sem álcool.

Sem álcool? Beber cerveja sem álcool é a mesma coisa que snifar uma risca de farinha pra bolos. Não dá moca e a única coisa que tiras dessa experiência é ficares com a sensação de que és um idiota.

Se achas piada ao Bruno e gostas de cerveja sem
álcool sei de uma outra bebida que vais gostar muito: Solução de Cloreto de Potássio. É perfeito perfeito.

11 de agosto de 2007

Anúncios a bebidas alcoólicas

Quando eu era adolescente, conseguir beber grandes quantidades de álcool e gregar-se todo era considerado uma coisa muito máscula. Homem que era homem tinha que estar nas listas de espera de transplante de fígado antes de fazer 18 anos.

Infelizmente os tempos mudaram.

Quem vê os anúncios na televisão de bebidas alcoólicas fica com a ideia que para malhar copos é preciso ser-se metrosexual ou até mesmo bicha. Desde quando é que para malhar duas litradas de rum é preciso ter uma camisinha de seda às flores numa praia tropical qualquer? E quando é que de repente se tornou requisito mínimo ser um paneleiro de kilt e peito ao léu a cavalgar à chuva para malhar whisky? Até tenho medo de imaginar qual seria o reclame da Jaggermeister se houvesse um em Portugal. Ah enganei-vos seus cromos, eu não tenho medo de nada.

Já a indústria do vodka adoptou outra estratégia. Longe vão os tempos em que beber vodka era coisa de homem rijo, ao ponto de se cortar os próprios membros enquanto sob o efeito de tal bebida. Hoje em dia somos servidos com uma panóplia de reclames extraídos da mente de um hippie consumidor de LSD, em que a mensagem mais importante parece ser: "Podes ser um bêbado sem retorno, mas és um bêbado na moda e com sentido artístico". Rotos.


Eu podia aguentar isto tudo e nunca me manifestar, mas no outro dia a indústria da bebida quebrou o tabu mais sagrado de todos: o vinho tinto. Para os mais distraídos ou cronicamente estúpidos, ultimamente têm surgido anúncios a uma marca de vinho tinto (a da imagem) que tem tentado passar uma imagem "sofisticada", "moderna" e "refrescante".
O quê? Vinho tinto refrescante? Vinho tinto moderno? Vinho tinto de verão? Enquanto escrevia isto tive um ataque epilético e espumei da boca com a dimensão desta estupidez.
Quem deu o direito a estas bestas de conspurcar a imagem do vinho tinto? Centenas de anos de uma cultura de malhar tintol na tasca, molhar o bigode, cuspir para o chão de serrim, distribuir porrada pela mulher e pelos filhos e finalmente gregar vermelho, estão em risco de desaparecer se a geração Morangos com Açúcar de repente achar piada a malhar tinto. Já estou a imaginar, um grupo de badalhocas em mini-saia a distribuir panfletos do "Red Wine Festival Oeiras 2009, com o DJ SouUmCona, só 20 euros a entrada. A crew dos Morangos vai aparecer! Não sejas um cromo e vem também! Yah man!".

São coisas destas que me trazem pensamentos suicídas. Depois lembro-me que odeio o suicídio porque é coisa de rotos, bebo 3 litros de vinho tinto, bato no dono do tasco e passa-me a neura.

Se fores da indústria de bebidas espirituosas e estiveres a ler isto, mata-te. Se achas que o vinho tinto é moderno e sofisticado e se deve beber na praia ao som de Boss AC, mata-te a ti e à tua descendência toda por favor.

8 de agosto de 2007

Videntes

No outro dia estava a ver televisão (coisa que eu obviamente odeio) e aparece uma aberração mediática que se intitulava de "Maya". Esta criatura propunha adivinhar o futuro do telespectador se este fosse cóina o suficiente para telefonar para o número de valor acrescentado que aparecia no ecrã.
Pelos vistos o alfabeto português não era suficiente para este cetáceo com pernas e ela teve que ir desenterrar um "y" a outra língua qualquer. Boa jogada Maya, ficas mesmo muito mais esotérica assim. Uma vaca esotérica.

Como é que alguém, com uma capacidade intelectual maior que a do fungo que tenho entre os dedos do pé, pode acreditar que a Maya e o seu clã de degenerados é capaz de adivinhar o futuro? Acham que alguém com tais poderes se sujeitava a fazer anúncios a aspiradores no programa das manhãs de um certo canal de TV privado ou se contentava em pôr anúncios nos jornais ao lado das putas finas de marcação telefónica?
Esta pergunta era retórica, por isso escusam de dizer "não" minhas bestas previsíveis.
Aparentemente a Maya é tão simpática que deixa a previsão do futuro em parte para os seus clientes, e eu por clientes quero dizer tansos. Como podem ver na imagem, se a previsão não agradar ao ungulado que a consultou, basta carregar em Ctrl+F5 e outra lhe será disponibilizada. Futuros ao gosto do cliente! Granda Maya!


Mas pior que a Maya são os professores (inserir aqui nome com sonoridade babuína). Estes indivíduos afirmam resolver qualquer tipo de maleita da mente e do corpo enquanto adivinham o futuro do tanso do outro lado do telefone. Se são assim tão espertos porque carga de água é que nem aprenderam a falar português em condições? Ouvir esses cromos a formular uma frase é mais doloroso que uma sessão de empalamento enquanto se assiste à gala dos Globos de Ouro da SIC.

Eu às vezes não sou muito justo. O facto de odiar a justiça é capaz de ter alguma influência nisso, mas o que é certo é que os verdadeiros idiotas aqui não são os videntes, mas sim quem acredita neles. Como eu odeio idiotice mais do que justiça, então justiça seja feita quanto ao título que mensagem deveria ter tido:

Pessoal que acredita em videntes

Tenho uma óptima novidade para todos os acéfalos que acreditam em videntes. Vou-vos adivinhar o futuro:
Vocês são uns cóinas e sempre serão. Boa sorte quando chegar a altura de pagar a conta telefónica.

UPDATE 23 Agosto 2007: Os videntes não desistem de me dar razões para os odiar. Vejam aqui.

5 de agosto de 2007

Casais de namorados que têm de estar constantemente aos beijos e abraços em público

Ei, não me levem a mal, eu gosto de namoradas.
Não tenho nada contra fingir que gosto de uma gaja, só para ter uma fonte de stickadas constante. Sempre é melhor que esgalhar o zézito.
Mas daí a passar o tempo todo a esfregar a língua nos dentes de uma gaja vai uma grande distância. Para mim o beijo não passa de uma chave para abrir pernas de gaja.

Há gajos que me dizem que dar beijos é romântico...

Mas vocês não se respeitam oh meus grandes rotos?!? Desde quando é que o homem tem de ser romântico? Vocês por acaso chegam ao fim do mês e ficam desiludidos quando não mestruam?

Não respondam. Toda a gente sabe que menstruar é coisa de gaja. Essa história do romântismo cai no mesmo saco, só que é mais nojenta.

O problema é que neste país ninguém faz nada quando vê um casalinho à lambidela, peço desculpa, a ser romântico.
Se fossem todos como eu isto não acontecia. O último gajo que tentou ser romântico a menos de 10 metros de distância de mim teve de remover cirurgicamente os dentes da namorada. Da própria testa.

Para mim as únicas manifestações de afecto que se podiam fazer em público era pinar. Se se vai passar a mensagem que a vaca ao nosso lado é a nossa "namorada" mais vale mostrá-lo de maneira inequívoca e dar-lhe aquilo para o qual 5 milhões de anos de evolução a prepararam: levar com o júnior.

E já vos estou a ouvir seus paneleiros a dizerem, que eu tenho é ciúmes porque não tenho namorada. Meus grandes cóinas, e depois? O facto de eu não convencer nenhuma gaja da grande orgia sexual que ela está a perder ao recusar as minhas investidas não vos dá carta branca para serem um monte de paneleiros!

Se eu fosse rei, criava uma lei na qual qualquer gaja que andasse aos beijos na rua tinha de fazer um bico a todos os pobres gajos que tivessem sido testemunhas dessa barbaridade, de modo a reduzir o trauma por eles sofrido. Como eu não sou sexista, o gajo a quem ela deu o beijo teria de abrir as pernas e levar com um barrote nas gónadas para aprender a não ser tão roto.